domingo, 25 de agosto de 2013

1889

Foi lançado em agosto o livro 1889, de Laurentino Gomes, que completa a trilogia sobre o século 19 brasileiro.

1808, o primeiro, foi lançado em 2007 pela editora Planeta e conta a história da chegada da família real portuguesa no Brasil e a transformação do Brasil-colônia em capital do império português, que mudou completamente o destino do país.
Foram dez anos de investigação jornalística e pesquisa para escrevê-lo, com o propósito de resgatar e contar de forma acessível a história da corte lusitana no Brasil e tentar devolver seus protagonistas à dimensão mais correta possível dos papéis que desempenharam duzentos anos atrás.

1822 foi publicado em 2010 pela editora Nova Fronteira, e fala sobre a Independência do Brasil e o rompimento com Portugal, as dificuldades do Primeiro Reinado, a abdicação de D. Pedro em 1831, sua volta a Portugal para enfrentar o irmão, D. Miguel, que havia usurpado o trono, até sua morte em 1834.
Os dois livros venderam mais de 1,5 milhão de exemplares e ganharam quatro prêmios Jabuti, o mais prestigiado da literatura brasileira. E são ilustrados por várias imagens da época.

Essas obras registram períodos importantes da nossa história, que muitas vezes ficam esquecidos na memória. E só podemos entender nossa realidade se conhecermos o passado.
 Em 1889, o Brasil havia se tornado uma república. O império brasileiro, até então tido como a mais sólida, estável e duradoura experiência de governo na América Latina, com 67 anos de história, desabara na manhã de Quinze de Novembro. O austero e admirado imperador Pedro II, um dos homens mais cultos da época, que ocupara o trono por quase meio século, fora obrigado a sair do país junto com toda a família imperial. Vivia agora exilado na Europa, banido pra sempre do solo em que nascera. Enquanto isso, os destinos do novo regime estavam nas mãos de um marechal já idoso e bastante doente, o alagoano Manoel Deodoro da Fonseca, considerado até então um monarquista convicto e amigo do imperador deposto.

Essas e outras histórias surpreendentes estão em 1889 - Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da monarquia e a Proclamação da República no Brasil.
Com 24 capítulos e ricamente ilustrado, 1889 contribui para a compreensão de um dos períodos mais controversos da história do país, em um relato cativante que explica não só os acontecimentos que levaram à queda da monarquia, mas também outros episódios importantes da história brasileira como a Guerra do Paraguai e o movimento abolicionista.
Uma publicação da editora Globo.

 
 O autor pretende agora pesquisar fatos históricos sobre a Guerra do Paraguai ou da Inconfidência Mineira.

E você, já leu algum desses livros?
Deixe seus comentários.

Até a próxima, beijos.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Dragões de Éter - novas capas

A série Dragões de Éter, do autor Raphael Draccon da editora Leya, ganhou novas capas. Feitas pelo ilustrador Marc Simonetti, o mesmo responsável pelas capas da série Guerra dos Tronos e O Nome do Vento.

As capas seriam apenas para a versão mexicana da trilogia, mas atendendo aos pedidos dos leitores foi decidido o lançamento das novas edições, que acontece agora em agosto.


Olha que bacana o box.
SINOPSE

Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltam contra as antigas raças.
E assim nasce a Era Antiga.

Essa influência e esse temor sobre a humanidade só têm fim quando Primo Branford, o filho de um moleiro, reúne o que são hoje os heróis mais conhecidos do mundo e lidera a histórica e violenta Caçada de Bruxas. Primo Branford é hoje o Rei de Arzallum, e por 20 anos saboreia, satisfeito, a Paz.
Nos últimos anos, entretanto, coisas estranhas começam a acontecer...

Uma menina vê a própria avó ser devorada por um lobo marcado com magia negra. Dois irmãos comem estilhaços de vidro como se fossem passas silvestres e bebem água barrenta como se fosse suco, envolvidos pela magia escura de uma antiga bruxa canibal. O navio do mercenário mais sanguinário do mundo, o mesmo que acreditavam já estar morto e esquecido, retorna dos mares com um obscuro e ainda pior sucessor. E duas sociedades criminosas entram em guerra, dando início a uma intriga que irá mexer em profundos e tristes mistérios da família real.
E mudará o mundo.

Com diversas referências contemporâneas, que vão de séries como Final Fantasy e contos de fada sombrios a bandas de rock como Limp Bizkit e Nirvana, a série Dragões de Éter constrói uma trama em que romances, guerras, intrigas, diálogos filosóficos, fantasia e sonhos juvenis se entrelaçam para construir uma jornada épica de profundidade espiritual. 

Venda no Submarino.
A série atingiu a marca de 200 mil exemplares vendidos no Brasil e o box da trilogia alcançou o 1º lugar do portal Submarino, onde permaneceu por um ano como o livro mais desejado do site. 
Em 2013 entrou para o hall de autores do grupo editorial Random House, com a venda dos direitos em língua espanhola de Dragões de Éter para a Random House Mondadori.


E você, já leu a série?
Veja também o post sobre Fios de Prata, outro ótimo livro do autor.
Deixe seus comentários.

Até a próxima!

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Pollyanna / Pollyanna Moça

Pollyanna foi publicado em 1913, com autoria de Eleanor H. Porter. É considerado um clássico da literatura infanto-juvenil.
Quem fez a tradução foi Monteiro Lobato.
  
É a história da menina Pollyanna, de 11 anos, que vai morar com sua tia em Beldingsville, interior da Nova Inglaterra, Estados Unidos.
Ela contagia a todos que vivem na região, levando sua alegria. Sua tia Polly Harrington, uma mulher severa e angustiada passa a ser uma pessoa melhor. Todos se encantam com sua forma de ver o lado bom das coisas.
Ela aprendeu com o pai o "Jogo do Contente", que consiste exatamente em achar algo bom em todo acontecimento.
'Pollyanna' é uma história sobre o amor, a amizade e, sobretudo, sobre o surpreendente poder de transformação que os jovens e as crianças podem ter, sem se dar conta. 

É simplesmente encantador. Amo histórias de época. 
Esse foi o primeiro livro que eu li na vida. Foi minha tia que um dia o pegou na biblioteca e trouxe para mim.
Recomendo, todos com certeza vão gostar e levar a "Filosofia Pollyanna" pelo resto da vida. 


Em 1915 foi lançada uma continuação, o Pollyanna Moça. Nesse ela tem 14 anos.
Pollyanna cresceu. É agora uma encantadora adolescente, amada por todos os que com ela aprenderam o famoso "Jogo do Contente". Sua fama de pessoa especial vai além dos limites de Beldingsville, onde vive com Tia Polly. Pollyanna recebe um convite especial para passar uma temporada em Boston. Alguém de lá precisa muito dela. Nesta continuação de suas aventuras, Pollyanna não irá apenas conviver com pessoas fascinantes e conquistar novas amizades. Ela também encontrará o amor e conhecerá a inquietação, as dúvidas e as emoções de tirar o fôlego pelas quais passam todas as jovens apaixonadas.
Deixe seus comentários.
Você conhecia a história de Pollyanna? Conhecia o Jogo do Contente?
Mesmo adultos não devemos nos esquecer dele.   (:
E qual foi o primeiro livro que você leu?

 Até a próxima!

sábado, 17 de agosto de 2013

Não Faz Sentido - Por Trás da Câmera

Em agosto acontece o lançamento do livro Não Faz Sentido - Por trás da câmera, pela editora Casa da Palavra.

Escrito por Felipe Neto, que hoje é um dos maiores vloggers do Brasil, criador do Não Faz Sentido.
Nele vamos conhecer os bastidores de um dos dez canais com mais inscritos no YouTube, com uma média de 3,7 milhões de visualizações a cada novo vídeo postado (o maior registro na história dos vídeos de entretenimento do YouTube brasileiro e uma das maiores médias do Youtube mundial).

Também criador da Parafernalha, produtora de vídeos de humor exclusiva para o YouTube, que ganhou uma série no Netflix, a "A Toca".

Sinopse:
Você já conhece o Não faz sentido. Agora vai conhecer tudo sobre seu criador, o maior vlogger do Brasil.
Criado por Felipe Neto em 2010 sem maiores pretensões, o Não Faz Sentido tornou-se um fenômeno da internet brasileira e o primeiro canal de vídeos em língua portuguesa a ultrapassar a marca de 1 milhão de inscritos.
Confundido muitas vezes com seu personagem reclamão, Felipe Neto expõe nesta obra sua outra face, sem óculos escuros, muito diferente da que se vê em seus vídeos mais famosos.
Do garoto que se levantou da falência para a exposição meteórica (que o acabou levando à depressão); dos bastidores envolvendo o vídeo contra a série Crepúsculo ao desentendimento com celebridades; acompanhamos, com muita sinceridade, uma história de sucesso por trás dos panos.
Você conhece o Não Faz Sentido. Agora vai conhecer a história, através de uma linguagem bem-humorada e sem nunca se levar muito a sério, pela lente de quem está por trás da câmera. E comprovar que, apesar do nome, este livro nos apresenta a história de um projeto cujo sucesso possuiu não apenas toda lógica, como também todos os motivos para se comunicar com uma geração altamente conectada, disposta a revolucionar a maneira como lidaremos com a produção e o conteúdo do entretenimento mundial.

Links para comprar:
Submarino - Saraiva - Cia. dos Livros - Livraria Cultura

Veja o vídeo onde ele apresenta o livro.



Com certeza é interessante saber o que acontece por trás de um canal de sucesso, que inspirou tantas outras pessoas a também produzirem vídeos na internet, e hoje é a maior ferramenta de comunicação e publicidade, atingindo milhões de pessoas em muito pouco tempo.

E vocês, gostam dos vídeos do Não faz Sentido e da Parafernalha?
O que acharam do livro?

Até a próxima!

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Feérica - Carolina Munhóz

Feérica é o terceiro e mais novo livro da Carolina Munhóz. Foi lançado pela Fantasy - Casa da Palavra.
Vocês devem se lembrar do post Uma Fada Escritora, em que eu falei sobre ela e seus dois livros anteriores. 
Agora, segue aqui uma pequena entrevista em que ela conta sobre esse trabalho.

Qual a história desse novo livro?
Carolina: É a história de uma fada revoltada com o seu mundo que resolve tentar conquistar a fama em nossa dimensão. Ela faz isso se inscrevendo em um reality show musical. O que posso adiantar é que fiz um livro com muita cultura pop e momentos descontraídos. Espero que gostem dessa nova aventura.

De onde veio a inspiração?
Me inspirei principalmente em um acontecimento do meu passado. Pelo meu vício por reality shows acabei me inscrevendo no programa Ídolos e aprendi muito com essa experiência. Sempre acompanhei o mundo das celebridades e dos reality's, então um dia o meu editor Raphael Draccon teve a ideia de misturar esse meu vício com outro que já tinha... fadas. O resultado foi esse livro.

Qual a diferença dessa fada em relação as anteriores? 
Ela é MUITO mais maluca e engraçada. Nunca usei humor em livros e foi uma experiência gostosa. A Violet é única e gostei de a ter escrito.

Quem fez a capa? Como você participa na escolha desses detalhes?
O ilustrador foi o Felipe Kimio e o designer, meu grande amigo, Rico Bacellar que também fez a nova capa de "A Fada". Eu gosto de participar desse processo, então estou desde o começo nas ideias até nos detalhes finais. A capa de Feérica foi a que deu mais trabalho até agora, mas o processo foi muito gostoso. O Felipe fez um excelente trabalho.

E a proposta de transformar a história em seriado, dá pra contar? 
Tive uma proposta de uma produtora brasileira e estou com a possibilidade de algo no exterior, mas ainda não existe nada fechado. Estou com os dedos cruzados.

(Nós também!)

Sinopse
E se uma fada se revelasse em um reality show?
Violet Lashian tem apenas um objetivo: ser famosa em seu mundo. Mas quem nunca se seduziu por esse pensamento?
Ignorada pelas fadas de uma sociedade que preza a padronização, a jovem de cabelos roxos decide abandonar seu sofrimento em busca de um lugar entre as estrelas de Hollywood.
Bastidores de reality shows. Festas badaladas. Encontros amorosos com jovens milionários. Entrevistas em rede mundial. Fama instantânea, dinheiro e poder. De repente, a feérica se vê cercada pela realidade com que sempre sonhou. Mas será que Violet é capaz de manter a pureza de sua raça mágica em um mundo corrompido pelo deslumbre material? E quais seriam as reais consequências de sua revelação para a existência oculta de seu povo?

Você descobrirá tudo isso e muito mais nos próximos capítulos deste livro.

O título de cada capítulo é uma frase de um seriado, que com certeza você conhece ou já ouviu falar. No final tem a lista com o nome de cada um.
É muito bacana quando um autor usa referências da nossa realidade em suas histórias.

Essa é a capa toda aberta.




 E o formato dos agradecimentos ficou como se fosse os créditos do reality show.
Adorei!























Links para comprar:
Saraiva - Submarino - Americanas - Cia. dos Livros


Siga a Carol no twitter: @carolinamunhoz e visite o site http://www.carolinamunhoz.com/ para saber mais.
Ouça também o podcast do Cinema com Rapadura, que ela participa.  

Gostaram?
Deixe seus comentários.  =)
Até a próxima!

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Os Instrumentos Mortais - Cidade dos Ossos

Os Instrumentos Mortais é uma série literária da escritora Cassandra Clare.
O primeiro título, Cidade dos Ossos, foi lançado primeiro em 2007 e chegou ao Brasil em 2010, publicado pela Galera Record
Em seguida vieram Cidade das Cinzas, Cidade de Vidro, Cidade dos Anjos Caídos e Cidade das Almas Perdidas, lançado esse ano. O sexto e último livro, Cidade do Fogo Celeste tem previsão de lançamento para o ano que vem.


Dia 23 de agosto chega aos cinemas o primeiro filme adaptado da série.
No elenco temos Lily Collins, de Sem Saída e Espelho Espelho Meu, Jamie Campbell Bower, que fez a saga Crepúsculo, Jonathan Rhys Meyers, de O Som do Coração, Lena Headey, de 300 e a Cersei de Game of Thrones.
O diretor é Harald Zwart.

Na história, Clary Fray é uma menina de 15 anos que vive com a mãe no Brooklyn, em Nova York.
Numa noite, ela vai com seu amigo Simon Lewis a uma boate. Tudo normal, até que Clary testemunha um assassinato cometido por três adolescentes, com estranhas tatuagens e armas esquisitas. E o estranho é que ninguém viu nada, só ela. 
Depois ela encontra um dos assassinos, o Jace Wayland, que afirma que a pessoa que ele matou era um demônio. Ele explica que ele e os dois amigos são Caçadores de Sombras, guerreiros cuja missão é proteger o mundo que conhecemos de demônios e outras criaturas. Somente quem tem a Visão, assim como ela, é capaz de ver as criaturas do Mundo das Sombras. 
Jace se oferece para levar Clary para se encontrar com o seu tutor, mas antes que pudesse aceitar, ela recebe um telefonema perturbador de sua mãe. Ela volta para casa e encontra o apartamento completamente revirado, a mãe foi sequestrada, e uma criatura monstruosa: um demônio estava esperando por ela. Jace a leva para "O Instituto", uma antiga catedral gótica em Nova York que os seres humanos (ou mundanos) não podem ver, porque está escondida por mágica. Lá eles moram e treinam. Ela conhece Hodge Starkweather, o tutor dos caçadores, bem como os seus irmãos adotivos: Isabelle e Alec Lightwood.
Clary então ouve falar dos Instrumentos mortais, a Taça da Mortalidade, o Espelho e a Espada. 
Valentine, um ex Caçador de Sombras, que havia traído a Clave - que é como se fosse a autoridade máxima no Mundo das Sombras, decide os acordos e as punições aos que quebram a lei - está atrás da Taça, já que ela transforma qualquer humano em um Caçador de Sombras, e criando seu exército para isso. Então os quatro, Clary, Jace, Alec e Isabelle entram em uma busca frenética pela Taça, para achá-la antes de Valentine. Muitas surpresas e aventuras os aguardam. 

Veja o trailer:



A ideia veio para a autora quando uma amiga a levou para uma loja de tatuagens onde trabalhava, onde havia marcas de pegadas no teto, que cruzavam entre si e criavam padrões. Para Clare "Parecia uma batalha fabulosa e sobrenatural que havia sido travada por seres que tinham deixado suas pegadas para trás".
Ela então pensou em criar uma sociedade secreta de caçadores de demônios cuja magia fosse baseada em um sistema de tatuagens, algo que iria combinar elementos de fantasia tradicional - uma batalha épica entre o bem e o mal, monstros terríveis, bravos heróis, espadas encantadas - e reformular isso através de uma lente moderna e urbana.
(:

Já leu os livros da série?
O que espera do filme? Deixe comentários.

Até a próxima, beijos.