quarta-feira, 10 de maio de 2017

Na estreia da nova temporada, ‘Que Mundo é Esse?’ vai à fronteira do México com os Estados Unidos

Com a eleição de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos, uma das suas mais polêmicas promessas de campanha – a construção de um muro de 3.500 quilômetros na fronteira do país com o México – foi adiada pelo alto custo e questionada pela necessidade, já que o número de imigrantes ilegais vindos do México não aumenta há quase 10 anos no país norte-americano. 
Para entender os sonhos, medos e esperanças daqueles que tentam atravessar ilegalmente a fronteira entre os dois países, André Fran, Felipe UFO, Michel Coeli e Rodrigo Cebrian usam o muro como ponto de partida na estreia da quarta temporada do 'Que Mundo É Esse?', no ar nesta sexta-feira, dia 12, na GloboNews. "Apesar de ser um tema tão atual e próximo, me impressionou perceber como conhecemos pouco dos dramas de quem vive essa realidade", conta André Fran, um dos diretores do programa.

A equipe do programa se divide para visitar os dois lados. No americano, Rodrigo Cebrian vai de carro até onde pode e percorre a pé uma trilha, feita por muitos mexicanos que trabalham nos Estados Unidos para rever a família. O muro fica no Parque da Amizade (Friendship Park), um parque nacional, onde é preciso seguir regras, como não passar dinheiro, comida ou documentos. "Uma imagem no mínimo desconfortável, estranha, esse muro entrando mar adentro cortando duas nações, dois povos que poderiam conviver em perfeita harmonia", conta Cebrian.

Do lado de Tijuana, no México, o muro fica na área mais movimentada da cidade. Na fronteira, os rapazes presenciam reencontros emocionantes. Como o do pai que foi trabalhar nos Estados Unidos há quatro anos, quando a filha tinha apenas oito meses, e só consegue vê-la uma vez por semana, através da cerca que separa os dois países. E da mãe que ficou 26 anos sem ver o filho e agora só o encontra uma vez por ano, também pelo muro. "E com esse presidente, acho que só vai piorar", lamenta a mãe. "Os Estados Unidos têm essa coisa da terra da liberdade mas ao mesmo tempo tem muita gente que está em liberdade presa lá porque não pode visitar o México, seu país, ao lado. Muitos mexicanos chegam com visto de trabalho, que permite que ele entre, mas o impede de sair. Assim, se forem ao México, não conseguem mais voltar", conta Michel Coeli.  

O quarteto viaja dois mil quilômetros até o estado de Hidalgo, região mais central do México, onde acontece uma simulação de imigração ilegal. Com o objetivo de conscientizar para o perigo da travessia, a simulação é feita por pessoas que já passaram pela situação, com o consentimento do governo. "Dizem que é uma beleza, que é fácil, que você vai ganhar muito dinheiro, mas na verdade não é assim. Você abandona tudo: seus pais, seus filhos, sua esposa, sua cidade. Pode ser que dê sorte. Mas muitos acabam voltando", conta o ex-coiote.

Para viver a experiência, André Fran e Rodrigo Cebrian acompanham o grupo de falsos policiais cuja responsabilidade é patrulhar a fronteira, enquanto Felipe UFO e Michel Coeli tentam atravessar a imaginária fronteira como imigrantes ilegais, em mais de três horas se simulação. A travessia verdadeira dura dois dias e duas noites. Veículos caracterizados como carros da polícia de fronteira e armas dão ainda mais realismo à simulação. "Mesmo sabendo que é mentira, não via a hora de acabar", conta UFO.

Coproduzida pela BASE#1, a quarta temporada do programa 'Que Mundo É Esse?' estreia nesta sexta-feira, dia 12, às 23h30, na GloboNews.
Foto: Rodrigo Cebrian, Michel Coeli, Felipe UFO e André Fran posam na terceira maior pirâmide do mundo, em Teotihuacan, no México.
Crédito: Globo/Divulgação

Terceiro episódio de “Era Uma Vez Uma História” vai ao ar nesta quinta-feira

A Band exibe nesta quinta-feira (11), às 23 horas, o terceiro episódio da série "Era Uma Vez Uma História", apresentada pelo ator Dan Stulbach e pela historiadora Lilia Schrwarcz. Desta vez, a atração retrata a história do Brasil de 1832 a 1870, tempo em que Dom Pedro I partiu para Portugal deixando Pedro II, de apenas 5 anos, como herdeiro do Brasil.
Quase como convidados especiais, os apresentadores percorrem as salas do Palácio onde a criança que ficou no trono do Brasil passa seus dias, mostrando sua preparação para assumir o controle do país. Nessas mesmas salas, eles são testemunhas de como está se gerando um dos períodos mais repressivos da nossa história e, na rua, presenciam como eram tratados, vendidos, torturados e assassinados os escravos. Finalmente eles descobrem como Dom Pedro II, considerado o patrono das artes e das ciências, iniciaria uma guerra vergonhosa: a guerra da Tríplice Aliança, que acabou sendo um assunto pessoal para o Imperador.

Uma coprodução da Cine Group e da Eyeworks, Era Uma Vez Uma História vai ao ar às quintas-feiras, às 23h, na tela da Band. 
Dom Pedro II herda o trono ainda criança

segunda-feira, 8 de maio de 2017

21º Cultura Inglesa Festival apresenta programação gratuita para todos os públicos


A imagem pode conter: 1 pessoa, texto 

De 27 de maio a 18 de junho, o Cultura Inglesa Festival traz para São Paulo o melhor da cultura britânica com programação completamente gratuita. Realizado anualmente pela Cultura Inglesa, a 21ª edição tem como tema central "Great People of Britain", uma homenagem a grandes personalidades britânicas, promovendo intercâmbio cultural entre Brasil e Reino Unido.
Os 23 dias de evento têm programação diversa com shows, mostras de cinema, exposições, atividades infantis e espetáculos de teatro e dança. Entre os principais destaques desta edição estão: a exposição interativa "Great People of Britain: É Brit, é Pop, é Cult, é Great!", uma celebração a grandes nomes de destaque da Grã-Bretanha que influenciam diferentes gerações; o aguardado show da inglesa pop Charli XCX e da rapper brasileira Karol Conka; a mostra de cinema retrospectiva e masterclasses com o premiado diretor Kevin Macdonald; e a homenagem à escritora J.K. Rowling, com exibição de todos os filmes da saga Harry Potter. Além disso, o Festival tem espetáculos de teatro nacionais e internacionais, como o monólogo "The Letter: To be or to MBE", com um dos maiores nomes britânicos do hip hop, Jonzi D.

Confira a seguir a programação do 21º Cultura Inglesa Festival

Exposição Great People of Britain: É Brit, é Pop, é Cult, é Great!
O tema central do Festival ganha exposição própria no Centro Cultural São Paulo. De 27 de maio a 18 de junho o público poderá fazer um passeio interativo no universo britânico, que destaca temas contemporâneos por meio das personalidades atuantes, como Adele, Banksy e David Beckham, sem deixar de lado ícones que fizeram a história da Grã-Bretanha, como Charles Chaplin, George Orwell, Charles Darwin e Stephen Hawking. Além disso, parte da exposição será itinerante, a Bike Book, uma biblioteca móvel que destacará livros britânicos de grandes autores, se fixará aos domingos na Casa das Rosas, na Avenida Paulista.

Música

A londrina Charli XCX será a atração principal do show gratuito que acontece no dia 11 de junho em São Paulo, no Memorial da América Latina. Também sobe ao palco um dos grandes nomes da música brasileira, a rapper Karol Conka, que além de cantar seus maiores sucessos, adicionará ao seu setlist algumas canções em homenagem a David Bowie com releituras de suas músicas.
O público também poderá conferir os shows das bandas Staff Only, formada por funcionários da Cultura Inglesa e Soul Prime, de alunos da Cultura Inglesa de Joinville, que têm como referência artistas dos gêneros pop e pop rock.

Cinema

A Mostra Kevin Macdonald - Um Olhar Plural, realizada em parceria com a produtora  bigBonsai, acontece no Museu da Imagem e do Som entre os dias 06 e 10 de junho, e é composta por uma mostra retrospectiva com nove filmes do diretor ganhador de um Oscar, Kevin Macdonald, e duas masterclasses ministradas por ele, nos dias 07 e 08 de junho, com as temáticas ficção e documentário. Serão exibidos nove filmes: O último rei da Escócia; Munique, 1972: Um Dia em Setembro; Marley; Being Mick; Mar Negro; Essa é a Minha Vida; A Águia da Nona Legião; Intrigas de Estado e A Vida em Um dia.

A programação de cinema no MIS também conta com duas sessões do longa Alguma Coisa Assim, dirigido por Esmir Filho e Mariana Bastos. O filme foi desenvolvido a partir do curta-metragem homônimo, selecionado pelo edital da Cultura Inglesa em 2006. O projeto recebeu uma continuação em 2014, com o título "Sete anos depois" e hoje, ganha uma montagem de longa-metragem.

Antes dos longas, também haverá sessões dos curtas-metragens selecionados por meio do edital anual da Cultura Inglesa: Próxima!, com direção de Luiza Campos e inspirado na canção inglesa "Put Your Records On" de Corinne Bailey Rae, e A Horta, com direção de Carla Leoni e Richard Dantas e inspirada na canção "Another Brick in the Wall", do Pink Floyd.

O 21º Cultura Inglesa Festival também apresentará a primeira maratona Harry Potter gratuita em São Paulo, todos os filmes da saga serão exibidos nos dias 16, 17 e 18 de junho. Os dois últimos filmes da saga serão exibidos emsessões ao ar livre, em parceria com o projeto Slowmovie, nos Jardins Suspensos do Centro Cultural São Paulo.

Teatro
A programação de teatro conta com duas montagens nacionais inéditas vencedoras do edital da Cultura Inglesa e dois espetáculos internacionais selecionados no Edinburgh Festival Fringe - o maior festival de artes do mundo, que acontece na cidade de Edimburgo, na Escócia.

Nacionais – espetáculos apresentados em português

Unfaithful, escrita por Owen Maccfferty, autor Irlandês, depois de passar pelo Edinburgh Fringe Festival e por Londres, o espetáculo ganhou pela primeira vez uma montagem brasileira e fica em cartaz de 8 a 11 de junho sob direção de Lavínia Pannunzio, atriz e dramaturga que recebeu diversos prêmios, entre eles APCA e Coca-Cola/Femsa. No centro da trama, os personagens Joan, Tom, Peter e Tara expõem em cena desejos não expressos, arrependimentos e conversas adiadas. Destacam-se na montagem as atuações de Noemi Marinho, vencedora dos prêmios APCA e Shell e de Hélio Cícero, que recebeu indicação do Prêmio Shell como melhor ator por "O Fingidor".

Swallow, em cartaz de 15 a 18 de junho, é fruto da novíssima dramaturgia britânica. O texto escrito pela autora escocesa Stef Smith, teve sua estreia no Festival de Edimburgo em agosto de 2015, e agora ganha remontagem inédita no Brasil, sob direção de Bruno Perillo, ator e diretor indicado ao Prêmio Shell pela direção musical da peça Querô. A montagem conta a história de três personagens, cada qual em estados distintos de vida, que têm suas trajetórias cruzadas. Dos encontros e colisões, nascem impulsos transformadores. Dentro de uma estrutura fragmentada, poética, não linear e descritiva, Swallow consegue, entre conflitos dramáticos, abrir espaço ao humor e à autocrítica.

Internacionais – em inglês com legendas em português

O espetáculo dedicado à saga Senhor dos Anéis, escrita por J.R.R. Tolkien, One Man Lord Of The Rings será apresentado dias 27 e 28 de maio, na sala Paschoal Carlos Magno, dentro do Teatro Sérgio Cardoso. Na peça, o ator Charles Ross apresenta o hilariante one-man-show, onde sozinho, faz todos os papéis, canta a música, e luta as batalhas. Durante o monólogo envolvente o ator recria o encantado mundo da Terra Média e faz o público viajar pela trilogia: A Sociedade do Anel, As Duas Torres e o Retorno do Rei em uma hora. 

De 10 a 14 de junho, a lenda do teatro hip hop Jonzi D. se apresentará com o espetáculo The Letter: To be or to MBE. A montagem mistura rimas autorais, música, gestos e passos de break e humor inteligente ao vivo, Jonzi D, um dos mestres do hip hop theater, apresenta o espetáculo inédito no Brasil. O roteiro apresenta seu dilema entre aceitar ou não o convite para se tornar Membro do Império Britânico. O artista, associado da Sadler's Wells, é pioneiro da cultura hip hop britânica, atuando como rapper e b-boy (dançarino de break dance) desde o início dos anos 1980, além de desenvolver trabalhos como diretor artístico do aclamado festival de dança hip hop, Breakin' Convention.

Dança

As apresentações dos espetáculos de dança Cansei de Ser Sereia acontecem entre os dias 25 e 28 de maio, na Galeria Olido. Criado pela Cia Perversos Polimorfos, com direção de Ricardo Gali, a montagem é inspirada na música e no videoclipe Spectrum, da banda britânica Florence + The Machine e remixada pelo DJ Calvin Harris. O espetáculo parte do estudo do ser mitológico sereia para metaforizar as questões das transformações corporais e suas adequações e inadequações sociais. A apresentação propõe um questionamento a respeito da depreciação feminina, a expectativa social por um modelo já preestabelecido e a busca pela aceitação por meio de padrões comportamentais impostos. 

Inspirada na música Horses in my Dreams, de PJ Harvey, o espetáculo de dança Égua, fica em cartaz de 1 a 4 de junho na Galeria Olido. As artistas Josefa Pereira e Patrícia Bergantin, investigam como o imaginário de força e beleza em torno de um cavalo é imediatamente colocado em cheque quando observado a partir do gênero feminino. Uma égua não é um cavalo e é tensionando este campo de forças propulsoras e opressoras que o trabalho busca praticar um estado de ser improdutivo ou selvagem enquanto uma característica inata e persistente. Correr, comer, rosnar, lamber, rir, dormir, rastejar, recusar, intuir. Pequenos verbos que possam desviar os códigos de conduta e adequações.

Artes Visuais

A programação de artes visuais, em cartaz de 28 de maio a 18 de junho nas galerias do Centro Brasileiro Britânico, conta com três projetos vencedores do edital da Cultura Inglesa.
God Save the Queen, do artista Felipe Oliveira Melo apresenta o resultado da imersão na vida da monarca britânica Elizabeth II, com imagens que apresentam a trajetória da vida da rainha. Os recursos plásticos e conceituais utilizados pelo artista para compor as obras faz uso de intervenções de bordados e colagens, elementos que dialogam com a complexidade da história que existe em torno do nome Elizabeth II. Todas as imagens apresentadas na exposição foram selecionadas a partir de livros que registram a trajetória da rainha, desde seus primeiros meses de vida até seus noventa anos de idade.

A exposição 57 Belsize Park, da artista Maristela Cabello é formada por mais de 50 obras que reúnem projeção, fotografias e colagens. As obras foram inspiradas a partir da coleta de objetos pessoais abandonados e desprezados na desmontagem de um apartamento em Londres. Sua pesquisa reflete sobre a memória e o afeto contido nos objetos que já pertenceram ao outro.

There is no Supper é uma exposição inspirada na série de serigrafias The Last Supper, criadas pelo artista britânico Damien Hirst em 1999 e retrata a investigação do artista Fábio Flaks, que teve como foco principal lançar um olhar mais atento às ambiguidades da vida cotidiana. A mostra é formada por pinturas a óleo sobre telas de dimensões variadas, que representam as faces opostas de algumas das caixas de medicamentos, criadas por Hirst em 'The Last Supper'.

Kids Festival

O final de semana dos dias 3 e 4 de junho concentram as atrações especiais para as crianças com espetáculos, oficinas e instalação temática na unidade Cultura Inglesa-Pinheiros.
Duas peças de teatro infantil fazem parte da programação: Skellig, espetáculo cujo texto é do britânico David Almond, sob direção de Cristiane Paoli Quito, narra as aventuras de Michael em seus encontros com um estranho ser alado que habita a garagem de sua casa. Com referências poéticas e mitológicas, a peça trata sobre temas como vida, morte, amizade e amadurecimento. A outra montagem, A Máquina de Voar, baseada no texto do britânico Phil Porter, conta a história de duas crianças internadas em um hospital cujas vidas mudam completamente com a chegada de um novo garoto. Cheio de ação, o espetáculo é repleto de feitos heroicos, conspirações e atos de bravura.

No Kids Festival, as crianças também poderão se divertir com duas oficinas ministradas pelo grupo Anima Mundi. Na Oficina de Stop Motion com Massinha, os participantes poderão criar as suas próprias animações, produzindo o roteiro e moldando os personagens em massinha que ganharão vida a partir da técnica de stop motion. Já na Oficina de Stop Motion Pixilation os pequenos poderão produzir um filme realizado a partir da técnica de stop motion pixilation, que consiste em animar as cenas baseadas na sequência de fotografias, feitas quadro a quadro, dos atores em ação.

O público poderá se divertir no mezanino da unidade Cultura Inglesa-Pinheiros com a instalação temática Kids Jungle, que será transformado em uma floresta com elementos da Erê Lab para homenagear Darwin e sua teoria da evolução das espécies. As crianças também poderão se transformar em seu animal favorito com uma caracterização especial.

É possível encontrar mais informações sobre a programação completa do 21º Cultura Inglesa Festival no site www.culturainglesasp.com.br/cif e no aplicativo Cultura Inglesa Festival que está disponível para download gratuito na App Store e Google Play.

Tom Holland e Laura Harrier visitam AACD em São Paulo

O dia 3 de maio de 2017 foi diferente para os pacientes da AACD que tiveram o prazer de conhecer os protagonistas de "Homem-Aranha: De volta ao Lar", Tom Holland que interpreta o Homem-Aranha, e Laura Harrier que fará o papel de Liz Allan, o interesse romântico de Peter Parker.
Tom e Laura na  AACD
Créditos: Guilherme Pisa

Os atores deram uma pausa na agenda em sua passagem pelo Brasil para divulgação do novo filme, que estreia dia 6 de julho, para conhecerem a AACD. Durante o tour pela Instituição, distribuíram máscaras do Homem-Aranha, interagiram em um encontro emocionante com as crianças e também tiveram o auxilio de tradutores para tornarem a visita ainda mais proveitosa.

Confira também um vídeo que Tom divulgou nas redes sociais: